Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2010

Incoerências

 Não será que tanto barulho feito à volta de se criar uma nova discriminação com a proibição de adoptar pelos casais gays não dá razão àqueles que dizem que o casamento tem uma dimensão procriativa da qual é indissociável? Dimensão essa que, por razões óbvias, não é possível num casal do mesmo sexo, levando a que esse casamento na verdade não exista?

 

É, portanto, ílegitima a posição do BE e do PC quanto ao casamento gay, já que admitiram, ainda que indirectamente, que o casamento apenas existe entre duas pessoas de sexo diferente, sendo também ilegítima a posição do PS, por criar a tal nova discriminação.

 

Não será esta falta de respeito por mais de 90.000 assinaturas, recolhidas em menos de um mês, um contra-senso, vinda daqueles que dizem advogar contra a "intolerância" e pela "igualdade"?

 

Por fim, será que esta tarde o deputado MIguel Vale de Almeida vai renunciar ao seu cargo, depois de ter feito a única coisa que se propunha e para a qual o PS apresentou a sua candidatura a esta legislatura? Será substituído por um activista da eutanásia, vegetariano ou da greenpeace para a próxima "causa fracturante"?

publicado por António Sousa Leite às 13:01
link do post | comentar | favorito
14 comentários:
De Joaquim Amado Lopes a 10 de Janeiro de 2010 às 01:37
"Esta plataforma exige um referendo, mas esconde publicamente as posições que têm sobre o assunto."

O Daniel não concebe que existam pessoas que defendam uma determinada alteração legislativa mas achem importante que esta só se concretize se a generalidade (ou pelo menos a maioria) da população estiver de acordo com ela?

Apenas aceitar que a decisão seja comunitária quando acreditamos que a maioria concorda connosco não é mera hipocrisia. É uma total falta de respeito pela opinião dos outros.


De Daniel João Santos a 10 de Janeiro de 2010 às 09:38
errado. Eu defendo o referendo e tenho pena que este país quando chamado a se pronunciar vá para a praia.

Eu defendo é que a igualdade de algumas pessoas não possa ser decidida pela maioria. Sim, porque o que se discute é a igualdade de direitos perante o casamento civil.

Não me parece lógico que eu possa decidir quem se pode casar ou não.

Quanto ao seu ultimo paragrafo, não o comento.


De Joaquim Amado Lopes a 10 de Janeiro de 2010 às 13:47
O Daniel escreveu:
"Esta plataforma exige um referendo, mas esconde publicamente as posições que têm sobre o assunto."

Este comentário só faz sentido se se achar que a posição de cada sobre a matéria a ir a referendo é relevante para se exigir o referendo ou não. Só o é para os hipócritas.

O Daniel pode achar que a matéria em causa não deve ser referendada. Eu acho que tudo o que possa ser decidido por quem foi eleito para nos representar é passível de ir a referendo e que defender que há questões que - apesar de não serem consensuais - são tão "óbvias" que não merecem discussão é achar-se detentor da verdade absoluta e querer impôr a sua opinião aos outros.

Naturalmente, não defendo que a gestão do Estado seja feita através de referendos sucessivos mas todas as matérias estruturantes em termos de Estado e sociedade são transversais aos partidos políticos e ultrapassam os limites temporais da legislatura.
Assim, havendo interessados em que determinada matéria vá a referendo (manifestado, p.e., através de uma petição com mais de 90 mil assinaturas), o referendo deve ser realizado.

Além de que, nesta matéria em concreto, tenho a certeza absoluta de que a maioria dos que recusam o referendo estariam na linha da frente a exigi-lo se a situação fosse inversa: maioria parlamentar contra a alteração legislativa e noção de que a maioria da população estaria a favor.

"o que se discute é a igualdade de direitos perante o casamento civil"
Não, não é. O que se discute é o significado do casamento.

Não se está a discutir se os homossexuais podem ou não casar uma vez que a Lei não faz qualquer discriminação em função da orientação sexual. Tal como os heterossexuais, os homossexuais também podem casar. Só não podem é casar com pessoas do mesmo sexo - exactamente como os heterossexuais.

E o que alguns (muitos?) dos defendores do casamento entre pessoas do mesmo sexo pretendem (no sentido de opinião e objectivo) é que os preconceitos se combatem por decreto. Por outras palavras, pretendem legislar sobre o que cada pode ou não pensar.
Não sei qual é a sua opinião sobre isso mas essa pretensão faz-me recordar "1984" de George Orwell e desperta em mim fortes sentimentos anti-fascistas/comunistas.

Quanto a o país ir para a praia quando é chamado a participar num referendo, (além de não ser verdade) em democracia decide quem aparece. Quem decide não aparecer delega nos outros que decidam por si.
É por isso que defendo que os resultados dos referendos devem ser sempre vinculativos, independentemente da taxa de votantes.

Nem todos dão a mesma importância aos mesmos assuntos. Respeitar a opinião dos outros inclui aceitar que outros se estejam nas tintas para questões que nós consideramos fundamentais.


De Daniel João Santos a 10 de Janeiro de 2010 às 14:37
Caro Joaquim,

cumprimentos pelo excelente comentário, embora discordando de alguns aspectos.

Ouvi um especialista espanhol, que analisa igual situação em Espanha, que defendia que com a lei as mentalidades começaram a mudar. Infelizmente, defendia ele e dando o exemplo de Espanha, no caso concreto quem mudou a mentalidade foi a lei, visto que para ele, o contrário nunca seria possível.

Concordo perfeitamente que os referendos deveriam ser vinculativos independentemente dos votantes.

Discordo que o debate tenha a ver com a definição de casamento, lembro que estamos a falar de casamento e não de matrimonio.

Reforço, cumprimentos.



De Joaquim Amado Lopes a 10 de Janeiro de 2010 às 21:07
Daniel,
As leis podem ajudar a mudar as mentalidades, ao forçar situações em que as pessoas são confrontadas com a prova da irracionalidade dos seus preconceitos.
Por exemplo, nos EUA, quando a integração racial foi imposta nas escolas pela força da Lei e das armas.

Com a convivência forçada entre alunos de raças diferentes, o preconceito de que os negros eram inferiores foi posto em causa quando os jovens brancos racistas foram confrontados com o facto de que a côr da pele não passa disso mesmo.

O resultado foi positivo? Depende do ponto de vista.
É positivo que o confronto com a realidade acabe com determinados preconceitos de determinadas pessoas. Mas, no caso que apresentei, esse resultado foi acompanhado de violência (com feridos e mortos) e aumento do extremismo racista.

Valeu a pena porque a alteração de mentalidades salvou mais vidas? Quem pode fazer essas contas?
E quem defende que se justifica sacrificar inocentes para potencialmente salvar mais inocentes?

Ninguém tem nada a ver com o que se passa dentro da cabeça de cada um. E de certeza que ninguém tem nada que impôr determinadas opiniões ou pontos de vista.
Se alguém é homofóbico, sexista, racista ou xenófobo, isso só passa a interessar a outros a partir do momento em que essa pessoa actue baseado nesses preconceitos de forma a prejudicar outros.
É livre de pensar o que quiser e mesmo de o defender em público, por muito detestável que pareça à generalidade da sociedade.

O meu problema com medidas deste género (engenharia social) é que não se procura convencer mas sim impôr uma determinada visão da sociedade.
Numa discussão, se o meu interlocutor pretende impôr a sua opinião como a única válida, distancio-me imediatamente dele mesmo que partilhe da sua opinião.

No caso espanhol, não aceito que a alteração das mentalidades se deva exclusivamente às medidas legislativas.
A realidade social evolui constantemente e as mentalidades evoluem com ela. Pretender delimitar e calendarizar essa evolução (das mentalidades) através da força da Lei só acelera algo que devia ser natural ao mesmo tempo que potencia o extremar de posições.

Quanto à distinção entre casamento e matrimónio, pode elaborar?

Um abraço


Comentar post

contacto | twitter

autores

pesquisar

 

blogues dos nossos

mais comentados

16 comentários
14 comentários
11 comentários
8 comentários

últ. comentários

Olá,Apresento-me Sr. Pierre Denis BEGUIN, de nacio...
Oferta de empréstimo acessível. Você precisa de um...
Candidate-se a um empréstimo pessoal rápido e conv...
EMPRESA DE GRUPO DE EMPRÉSTIMOSVocê precisa de um ...
Olá a todos!Eu sou Maria, atualmente moro no Porto...
Caro Empregado de EmpréstimoVocê em alguma dificul...
Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...
Você está ajoelhado no chão? E você é solicitado p...
Você está ajoelhado no chão? E você é solicitado p...
Muitos de nós ainda desconhecem o recente desenvol...

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds