Quarta-feira, 16 de Dezembro de 2009

Curiosa contradição (3)

É curioso como dentro de um partido onde os valores da democracia-cristã são suposto constituirem o fundamento de todo o combate político-ideológico, há quem defenda que a estrutura-base da nossa sociedade deva ser alterada em nome de uma suposta liberdade que outros reivindicam pelo simples desejo de reconhecimento ou de afirmação. É curioso constatar que esses se estão a colocar ao lado dos partidos à esquerda, ao não compreenderem que, aos Portugueses (e «àqueles que sempre desvalorizaram a discussão sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo») não deve ser negado o direito a expressarem-se democraticamente sobre um assunto que cabe à sociedade decidir e não ao Estado. É curioso observar como aqueles que defendem o Estado mínimo na economia, queiram permitir ao Estado interferir na vida privada dos seus cidadãos.

publicado por Maria Dá Mesquita às 17:28
link do post | comentar | favorito
13 comentários:
De Luís Pedro Mateus a 17 de Dezembro de 2009 às 00:22
"O contrato de casamento civil não tem sequer 200 anos de existência. Está bem longe de ter uma ligação directa às aos alicerces de um estado como o nosso"

Tem ligações directas a partir do momento em que, ao existir, se trata de uma apropriação por parte do Estado de um conceito que lhe é anterior.

A maioria esmagadora das Leis dos Estados baseiam-se na herança de crenças morais de cada sociedade.

"Mas, mesmo assim, é fácil: os contratos funcionariam como os indivíduos que livremente os assinassem, livremente decidissem."

Exemplo.
Numa família muçulmana, se um contrato fosse firmado entre homem e mulher que livremente decidissem que esta se subordinaria às ordens do marido, o Estado nada teria que ver com a questão portanto. Se se intrometesse, estaria a ser preconceituoso por estar a partir de um ponto de vista tradicional que não o muçulmano...



De Tiago Loureiro a 17 de Dezembro de 2009 às 00:41
"A maioria esmagadora das Leis dos Estados baseiam-se na herança de crenças morais de cada sociedade."

Isso é treta. Dou-te o exemplo do divórcio. Que nasceu de uma necessidade decorrente, curiosamente, do casamento civil. Uma vez que o estado tratou dessa "apropriação", há spin-offs que são inevitáveis ou, pelo menos, admissíveis.

Quanto ao exemplo, acho-o tão mau que nem comento.


De Luís Pedro Mateus a 17 de Dezembro de 2009 às 13:43
Não compreendo porque é que o exemplo é tão mau.

Apenas de mostrei um exemplo em que duas pessoas poderiam firmar um contracto de convivência mútua segundo os seus termos e, logo, o Estado nada deveria ter que ver com isso. Peguei num exemplo quase extremo para provar precisamente que existe sempre um limite à "demissão" do Estado, e quando esse limite surge e o Estado é forçado a actuar, baseia-se sempre em questões morais e culturais anteriores ao próprio Estado.

Ou seja, para umas coisas, o Estado não se deve preocupar com "preconceitos" sociais. Para outras, já pode e deve. É incoerente.


Comentar post

contacto | twitter

autores

pesquisar

 

blogues dos nossos

mais comentados

16 comentários
14 comentários
11 comentários
8 comentários

últ. comentários

Candidate-se a um empréstimo pessoal rápido e conv...
EMPRESA DE GRUPO DE EMPRÉSTIMOSVocê precisa de um ...
Olá a todos!Eu sou Maria, atualmente moro no Porto...
Caro Empregado de EmpréstimoVocê em alguma dificul...
Do You Need A Loan To Consolidate Your Debt At 1.0...
Você está ajoelhado no chão? E você é solicitado p...
Você está ajoelhado no chão? E você é solicitado p...
Muitos de nós ainda desconhecem o recente desenvol...
OláCandidate-se a empréstimo rápido e confiável de...
Olá Pessoal, Eu concedo empréstimo de todos os tip...

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds