Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

Nada de novo

Quem lê o Sol de hoje pode achar-se vítima de ataque de diversos sentimentos: indignação, vergonha, frustração, irritação... Mas, tal como ontem afirmou Lobo Xavier na Quadratura do Círculo, surpresa não é coisa que afecte quem lê aquelas sete páginas e tenha a mínima noção da realidade do país em que vive. Compadrios, influências, manobras, manipulação, enfim, a mão gorda de quem manda e acha que tudo pode - a mão imunda de um estado que nunca mais acaba e que em tudo marca presença – constantemente em acção manchando a decência e a dignidade da nossa democracia e, acima de tudo, compromentendo a nossa liberdade.

publicado por Tiago Loureiro às 16:26
link do post | comentar | favorito
16 comentários:
De blogdoluisinho a 12 de Fevereiro de 2010 às 17:47
sem querer defender ninguém, quero aqui dizer que muitos orgãos de counicação social abusam da liberdade de expressão, transformando-a em libertinagem, para atacar movimentos ou partidos politicos, esquecendo-se do dever de imprcialidade.


De Nuno Silva a 12 de Fevereiro de 2010 às 19:22
"esquecendo-se do dever de imparcialidade."

Que dever de imparcialidade???

Só mesmo por cá, principalmente à esquerda, é que se acha que um jornal qualquer tem um suposto dever de imparcialidade para com os assuntos que se trata. Não tem e nem tem de ter.

Exemplo disso são os jornais espanhóis, os ingleses, os franceses, os americanos and so on, que tem linhas editoriais bem definidas e com cor politica também ela definida.

Exemplos disso são por exemplo a cadeia noticiosa norte-americana Fox News (perfeitamente alinha com o GOP),
em termos de jornais, por exemplo no Reino Unido em que o The Daily Telegraph é alinhado com os Tories e o The Independent com o Labour. ou ainda o talk radio norte americano com o Conservative Talk Radio de Rush Limbaugh ou de Laura Schlessinger, e o Progressive Talk Radio com Alan Colmes por exemplo.

Só compra ou vê ou ouve quem quer!


De blogdoluisinho a 13 de Fevereiro de 2010 às 21:13
Caro Nuno Silva, deixe-me dizer-lhe em primeiro lugar que o tom que usa não é de todo agradável. Depois dizer que não sou de esquerda, o que confirma o seu mau discernimento.
Quanto ao facto de os meio de comunicação terem ou não dever de ser imparciais quanto noticiam um facto, tenho algumas coisas a dizer:

1º Alguns jornais que refere, são do género que faz notícia/manchete com as novas conquistas amorosas do Ronaldo e escândalos sexuais de jogadores da Premier League. Vê-se aqui acredibilidade que têm, apesar da larga tiragem diária.

2º Se não houver imparcialidade que dois interesses estão em jogo, como é que o leitor sabe se está a ler uma notícia verdadeira? É o mesmo princípio de um julgamento, ouvem-se as duas partes e depois tiaram-se conclusões.

3º Imagine o seu clube a jogar contra um rival, e o relatador sempre a exovalhar a sua equipa, só porque é adepto do clube rival. quando é golo da sua equipa ele grita go-lo. Mas quando é golo da outra equipa ele grita: goooooooooooooooooooooooollllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllloooooooooooooooooooooooo!

Além de tudo isto não acho que o governo possa/deva interferir na liberdade de expressão, e não acho que o direito de liberdade de expressão se deva sobrepôr ao segredo de justiça!

Por fim, vou deixar-lhe saudações, uma coisa que não teve a amabilidade de fazer.


De Nuno Silva a 13 de Fevereiro de 2010 às 22:38
Caro blogdoluisinho,

"Caro Nuno Silva, deixe-me dizer-lhe em primeiro lugar que o tom que usa não é de todo agradável."

Não usei tom já que estou a escrever e não a falar (é muito complicado imprimir carga de "emocional" quando se escreve), mas se se sentiu ofendido, não era de todo a minha intenção! Quanto as saudações, não é meu costume deixar, como muitos bloggers não deixam e não espero que me deixem, mas se preza assim tanto deixar-lhe-ei no final.

Como comprovará com esta minha expressão "Só mesmo por cá, principalmente à esquerda", não disse que era de esquerda, disse apenas que esse sentimento sobre a parcialidade/imparcialidade dos jornais é de facto muito visível à esquerda.

Agora aos argumentos propriamente ditos.

Quanto ao primeiro, não confunda o Independent ou o Telegraph com jornais como o The Sun ou o News of the World (que tem a credibilidade que querem ter e que lhe dão, e reportando sobre escândalos sexuais na Premier League não estão a dizer mentira nenhuma e é uma noticia como todas as outros)...não sou consumidor de tablóides mas não tenho propriamente problemas com eles.

Volto a dizer o mesmo nesse tipo de jornais, é de salutar terem cor politica assumida (por cá também há, mas tem medo de dizer)...mas se quer jornais menos ligados a esse "tipo de noticias"...poderá ler em Espanha o ABC ligado ao PP e o El Pais ao PSOE...ou em França o Le Figaro, abertamente ao centro Direita ou o Le Monde, bem progressista e ao centro esquerda.

"e não houver imparcialidade que dois interesses estão em jogo, como é que o leitor sabe se está a ler uma notícia verdadeira?"

Essa questão pouco tem a ver com a imparcialidade dos jornais mas com a ética inerente a profissão. Muitos exemplos disso haverão...a RTP é do Estado e não deixa de passar noticias sobre o Face Oculta...a BBC é do Estado ingles em moldes diferentes da RTP (a BBC esta sob controlo do Parlamento) e não deixou de reportar noticias contra os deputados no caso das despesas.

"Imagine o seu clube a jogar contra um rival, e o relatador sempre a exovalhar a sua equipa, só porque é adepto do clube rival. "

Quanto a este é muito simples...se não gosto, não vejo!


Saudações



De blogdoluisinho a 15 de Fevereiro de 2010 às 00:48
Caro Nuno Silva,
Partindo do pricípio de que existe um direito de informação, reclamado e exigido tantas vezes, e com razão, pelos meios de comunicação, acho que este só é legítimo se tiver credibilidade, e só pode ter credibilidadese não sofrer influências externas.
Se os jornais reclamam um direito, não podem esquecer os seus deveres.
Se é para informar que seja com verdade, se não, para caluniar e "mexericrar, perdoem-me o estrangeirismo, mais vale estarem calados. Confundir e desinformar, não deve ser a função do jornalis, abro aqui excepção para os artigos de opinião, devidamente identificados como tal.( não para confundir e desinformar, claro!)
Sei que os jornais querem vender. (ponto) Imagine que exige a alguém com poderes superiores, aquilo que acha ser um direito seu, ao seu patrão por exemplo. E depois utiliza o seu direito, para causar dano ao seu patrão.

Não que o estado seja o patrão da comunicação social, mas ao que parece tem algum poder sobre...

Quanto à saudação é de boa educação quando nos dirigimos a alguém em particular. É como dirigir-me a si por caro, apesar de não o conhecer pessoalmente.

Saudações.


De Caravaggio a 12 de Fevereiro de 2010 às 18:27
Que grande PIMBALHADA.


De GM a 12 de Fevereiro de 2010 às 20:42
Caros**
É um debate demasiado pobre para decorrer. Afinal de contas deixem-me fazer umas perguntas simples:
1 - Quem é que acha que a Moura Guedes é jornalista?
2 - Quem é que acredita que algum governo Português, quer alguma porcaria de jornal, revista ou emissora de televisão?
3 - Quem é que explica a repentina descida dos juros sobre a divida Portuguesa?
4 - Quem é que explica uma procura 4 (quatro) vezes superior á oferta da divida publica Portuguesa?
Terá sido o primeiro ministro que comprou os mercados internacionais e os obrigou a baixar os juros sobre a divida?
Haverá uma conspiração do governo que obriga os mercados internacionais a procurar 4 (quatro) vezes mais de titulos de divida do que havia para venda?
Que valor tem uma oposição que grita o descalabro, em vez de guardar a imagem do País, fazendo e conduzindo comissões de investigação sem alardes e com carácter sério?
A sério mesmo... Quem é que acredita que um primeiro ministro, ainda que Português, tem alguma coisa para fazer acerca de uma jornalista de nunca o foi e que como mulher é uma tristeza? Coitados dos Portugueses que ainda acreditam nestas histórias de encantar, em que estas pessoas que nada valem, ainda tem a lata de pedir demissões e de se sentirem importantes o suficiente para poderem desbocar e serem ouvidas.
Caros, mais uma vez vos questiono, que circo é este em que uns piolhosos sem qualquer valor, tem a lata de montar uma pseudo conspiração e nós ainda perdemos tempo a ouvi-los?
Ao Sr. Mário Crespo recomendo-lhe que não tente competir com a manelita...ela tem uma boca maior.
Faça o que sempre fez, leia textos e guarde as perseguicões para a manelita que você devia era ter juizo, porque já tem idade para isso.
Tenha, caro Mário Crespo, vergonha e não faça de manelita botox. Lembra-se dos mortos em milhares na Roménia aquando da queda do Ceasescu? Lembra-se de ficar grávido? nos ouvidos, digo eu...Lembra-se?
Quanto aos demais Portugueses, pensem...será que o Sócrates obriga também os mercados internacionais????
As alucinações levam-me a acreditar que o Sócrates vai obrigar o Obama a comprar a Galiza e a oferecê-la a Portugal...era bom, era...vai sonhando Mário....
Um beijo e um abraço para todos deste vosso que ainda não alucina.

-** noção de apreço e não de custo.




De Joaquim Amado Lopes a 13 de Fevereiro de 2010 às 01:51
(assumindo que os juros da dívida pública portuguesa baixaram e que a procura pelos títulos foi muito superior à oerta...)

"Terá sido o primeiro ministro que comprou os mercados internacionais e os obrigou a baixar os juros sobre a divida?"
Como leigo que sou, julgava que é quem coloca à venda os títulos de dívida que decide que juros vai pagar a quem os comprar.
O GM está a dizer que não é assim? Que não é o Governo português quem decide que juros vai pagar a quem comprar os títulos de dívida público que esse mesmo Governo coloca no mercado?

"Haverá uma conspiração do governo que obriga os mercados internacionais a procurar 4 (quatro) vezes mais de titulos de divida do que havia para venda?"
E o bailout da Grécia não tem nada a ver com o caso?


De paulo jorge a 13 de Fevereiro de 2010 às 13:45
A nossa divida publica baixava e muito se não tivessemos que pagar casas novas aos imigrantes que vêem para este PAÍS, e em que temos de lhes dar subsidios casas ETC....
Uma coisa sei eu se eu quiser comprar uma casa nova tenho que pedir um empréstimo e vêr se é aprovado e quanto a subsidios dizem-me logo que não porque os rendimentos dos meus pais são superiores a 620€, é justo não é, para mim era simples uma vassoura e uma pá resolvia o assunto, é o mesmo que estão a fazer lá fora no estrangeiro (INGLATERRA, ESPANHA, ITÁLIA, ALEMANHA E OUTROS), porque 1º estão os cidadãos deles e só depois se houver vagas de trabalho é que pedem imigrantes.


De Daniel João Santos a 12 de Fevereiro de 2010 às 22:45
muito bem!


De paulo jorge a 13 de Fevereiro de 2010 às 13:35
Pois é caros leitores uma coisa é certa o Sr. Moniz ker assumir um papel de revolucionário, visto ke quando estava na RTP e foi corrido, o governo era PS e ficaram sempre rancores da parte dele. E agora.
O sr. Moniz e sua mulher pensavam ke o jornal de sexta feira a bem dizer era uma vergonha em todos os aspectos começando na apresentadora ke muitas vezes cometia gafes atrás de gafes e o modo como o apresentava era tudo menos um telejornal.
E ainda o sr. Moniz não tinha aceitado o cargo na ONGOING em ke deve de estar bem melhor financeiramente e mesmo assim ainda reclama, mas do quê?
Vendem noticias e fabricam noticias do modo ke kerem se eles se intitulam de insentos não vejo insenção nenhuma, mas como são PSD, kerem deitar o GOVERNO ABAIXO a todo o custo.
Uma coisa vejo eu não temos mais ninguém à altura para exercer o cargo de 1º Ministro.
E a sra. Manuela Moura Guedes ke se deixe estar na reforma porque já lá devia de estar há muito tempo.
Perguntem aos governos anteriores o ke eles fizeram quando lá estiveram (PSD e CDS), onde para o dinheiro dos submarinos e a manutenção dos helicopteros, certamente são coisas ke não interessa a essa comunicação social, quando tinhamos 1º ministro durão barroso teve uma oferta de trabalho mais bem renumerada e voltou as costas ao seu país e agora falam em o 1º MINISTRO deve DEMITIR-SE, não porque é isso ke kerem para depois dizerem ke o governo PS criou uma crise politica, vê-se que é que cria as crises, fabricando noticias para venderem ao POVO e fazerem acreditar que é verdade o que eles dizem. TRETAS.a MENINA CABRITA (JORNALISTA) DEVE DE ESTAR ESQUECIDA DO seu livro, original mas que foi outra pessoa (escritora) quem o escreveu e ela dizia que era um original seu, e era verdade não era.


De Francisco Martins a 13 de Fevereiro de 2010 às 19:33
Bem... primeiro era a Gripe A... tantas notícias, tantas vacinas, tanto dinheiro injectado nas grandes Farmacêuticas!... E quando os portugueses começaram a dizer que estavam fartos da Gripe e os Médicos a optar pelo NÃO, na hora de a tomar... eis que veio uma "boa-nova" e os jornais viraram-se para o (in)feliz Sismo do Haiti. Era Haiti em tudo quanto é jornal... de manhã, á tarde e á noite, só se ouvia falar em desgraça, sismos e pessoas sem casas e a morrer à fome!...
Bem... e chega o dia que lá vem os (malditos) portugas a queixarem-se que já chega de Haiti nos jornais e nas revistas, nos telejornais e nas manhãs da TVI e nas tardes da Júlia...
Não aconteceu mais terramoto nenhum, ninguém importante se atirou abaixo de uma ponte, não caiu nenhum World Trade Center.... bom... lá tiveram que se virar para o Sócrates e para as Escutas!!...
Eu penso, e acho que todo o português com a mínima decencia pensa, que os políticos são todos iguais. Na oposição, "coitado do pobre"; "coitado do pensionista"... mas quando passam para a cadeira do poder ministerial.... bem... há que fazer como os anteriores ou pior!...
E os nossos meios de comunicação já parecem os programas das manhãs da SIC e da TVI - vivem das mesquinhices, da desgraça, e da vida privada de quem lhes apetece!...
O que será pior em Portugal??... Os governantes ou a (alguma) comunicação social que temos??

Eu vou-me contentando a ler essas palermices que saiem nos jornais... que o meu mísero ordenado ainda vai dando para isso!


De bcmantunes a 14 de Fevereiro de 2010 às 17:16
Das "pessoas" que conheço, as que pior dizem do Estado, são as que mais mamam na teta do Estado. São os que em vez de pagarem impostos, porque têm rendimentos para isso, ainda recebem. Espertos... Parasitas!
Nem têm condições para viver sem o apoio do Estado.
Fazem lembrar aqueles lateiros que dizem mal da comida e continuam a repetir.
BCMA


De bcmantunes a 14 de Fevereiro de 2010 às 17:20
Como não conseguem salvar os jornais com boa gestão e qualidade de notícias. Têm que fazer algum dinheirito à custa das esmolas dos portugas. Principalmente dos que vivem fora do País.


De João Chamiço a 16 de Fevereiro de 2010 às 14:49
Concordar consigo si, mas!!!!
Opino que o estado não pode ser algo que nunca mais acaba. Porém, é urgente que passemos a ver cada questão mais pelo lado que a todos nos toca do que pelo lado em que as ideologias nos dominam o espírito. É tempo de percebermos que não não nada, mas mesmo nada de incompatível entre termnos a iniciativa privada como o motor da dinâmica da economia e o facto de certos sectores estratégicos se manterem ou regressarem às mãos do Estado, ou seja; de todos nós. C.G.D, GALP, EDP, PT e HOSPITAIS são apenas alguns exemplos. Já tivemos tempo de perceber que há uma grande apetência do capital internacional por estes sectores. Porque será? Não é de certeza por darem prejuízo. Ora, e como diria monsieur De La Palice, se não dão prejuízo é porque dão lucro e são lucro, porquê transferir esses lucros para os privados em vez de os deixar no estado em prol de todos?


De João Chamiço a 16 de Fevereiro de 2010 às 14:53
Concordar consigo si, mas!!!!
Opino que o estado não pode ser algo que nunca mais acaba. Porém, é urgente que passemos a ver cada questão mais pelo lado que a todos nos toca do que pelo lado em que as ideologias nos dominam o espírito. É tempo de percebermos que não há nada, mas mesmo nada de incompatível entre termnos a iniciativa privada como motor da dinâmica da economia e o facto de certos sectores estratégicos se manterem ou regressarem às mãos do Estado, ou seja; de todos nós. C.G.D, GALP, EDP, PT e HOSPITAIS são apenas alguns exemplos. Já tivemos tempo de perceber que há uma grande apetência do capital internacional por estes sectores. Porque será? Não é de certeza por darem prejuízo. Ora, e como diria monsieur De La Palice, se não dão prejuízo é porque dão lucro e são lucro, porquê transferir esses lucros para os privados em vez de os deixar no estado em prol de todos?


Comentar post

contacto | twitter

autores

pesquisar

 

blogues dos nossos

mais comentados

16 comentários
14 comentários
11 comentários
8 comentários

últ. comentários

Solicite um empréstimo rápido e conveniente para p...
Você quer comprar um rim? ou quer vender seu rim??...
Olá Você precisa de um empréstimo, empréstimo ...
Oláoferta de empréstimo de dinheiro rápido entre p...
Olá.Não se preocupe Mais para o seu pedido de empr...
Olá Sir / SraNós oferecemos nossos serviços para p...
SOUTHWESTLOANFUNDING é uma empresa de empréstimo n...
oferta de empréstimo a qualquer um sério e respons...
Good Day Dear Loan Seeker,Do you need an urgent fi...
oferta de empréstimo entre particular, muito rápid...

arquivos

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds